Isanex Logo

Com fundo de R$ 155M, Renner avança em CVC e amplia conexão com startups

Dois anos desde o lançamento de seu fundo de corporate venture capital (CVC), a Lojas Renner avança em suas estratégias de investimento e colaboração com startups. Além da contínua atuação do RX Ventures, que prevê aportar R$ 155 milhões em pelo menos 10 empresas ao longo de quatro anos, a companhia tem agora um canal oficial de conexão com o ecossistema para facilitar o relacionamento entre soluções inovadoras e suas diversas áreas de negócio.

“A inovação é um pilar relevante da nossa estratégia. A velocidade com que ela acontece no ambiente externo é cada vez maior e, nesse contexto de constante transformação, o acesso antecipado a novas tecnologias, novos modelos de negócio e talentos empreendedores constitui uma ferramenta muito relevante”, afirma Daniel Santos, diretor financeiro e de RI da Lojas Renner, em entrevista ao Startups por e-mail.

Segundo o executivo, que atualmente responde pela área de inovação aberta da companhia, a conexão com o ecossistema busca aproximar a Lojas Renner de startups que estão construindo o futuro do varejo e antecipando tendências que podem trazer diferenciais competitivos para a empresa. O objetivo é conectar negócios nacionais ou internacionais a oportunidades e desafios internos da gigante varejista, seja no core business ou em áreas de apoio.

Foi justamente com essa missão que a Renner lançou o RX Ventures, em busca de soluções nas áreas de serviços financeiros, logística, marketing, e-commerce, varejo físico, moda e sustentabilidade, com foco nos estágios seed e série A. Sem abrir números específicos, Daniel revela que o veículo de investimentos já mapeou “milhares de startups” e estudou mais profundamente “dezenas delas” desde o seu lançamento até chegar nas quatro empresas que formam seu portfólio atualmente.

O primeiro aporte foi anunciado em julho de 2022, com um cheque de valor não revelado na brasileira Logstore. A rodada foi liderada pela gestora DOMO Invest com participação do RX Ventures. Em novembro do mesmo ano, o fundo participou da rodada série A da Klavi, que captou um total de US$ 15 milhões com o banco BV, Iporanga Ventures, Parallax Ventures, GSR Ventures, Vivo Ventures e CIP S.A, além da Renner. O RX Ventures fez mais dois investimentos em 2023, dessa vez em startups norte-americanas – a RADAR e a Connectly.

“As startups investidas já têm agregado ao nosso negócio por meio de know-how, insights de inovação e teste de novas tecnologias, com benefícios diretos em frentes como agilidade nas entregas, abertura de novos mercados, aumento de vendas e redução de custos, entre outros”, avalia Daniel. Ele acrescenta que o relacionamento com gestoras e fundos de venture capital tem se fortalecido. “Acreditamos na complementaridade entre VCs e CVCs e temos visto o potencial de geração de valor que essa combinação traz para as startups”, pontua.

Busca ativa

De acordo com Daniel, embora a tese de investimento, a proposta de valor e os objetivos de longo prazo do RX Ventures permaneçam os mesmos, o fundo está constantemente reavaliando suas premissas de modo a calibrar sua estratégia. O intuito é evoluir constantemente o entendimento sobre as principais tendências do mercado e melhorar a forma como o veículo opera de ponta a ponta, da primeira interação com as startups à gestão do portfólio.

“O RX Ventures continua ativo na busca por empresas, no anúncio de novos investimentos e no trabalho com nossas startups investidas. Isso reforça nosso compromisso de longo prazo. Desde o lançamento, estamos dedicados a construir o fundo de uma maneira que o torne o mais protegido possível das flutuações de mercado ou de outras variáveis externas”, diz o executivo.

Sem abrir números específicos, Daniel garante que o fundo ainda tem capital disponível para novas oportunidades, e vai seguir investindo em startups que antecipam tendências. “Estamos constantemente conhecendo empreendedores excepcionais e empenhados em construir empresas duradouras, que enderecem problemas reais e transformem o setor de varejo”, conta.

Além de avançar nos aportes, o RX Ventures tem como prioridade para 2024 a geração de valor e as trocas estratégicas entre a Lojas Renner e as investidas. “Os primeiros anos do fundo têm dado bons indícios dos resultados que podemos ter com o nosso CVC e queremos seguir acelerando essa aproximação, uma vez que acreditamos que essa gestão de portfólio ativa cria importante valor para os dois lados, beneficiando o mercado como um todo”, analisa.

Fonte: startups.com.br
Por: Gabriela Del Carmen

Veja mais

Startup inaugura maior fábrica do mundo de captura de CO2

Os 5 principais aprendizados após orientar 100 startups

Quer dar o start no seu negócio? Comece por aqui

Boa estratégia/má estratégia e jogar para vencer

O MVP acabou. Você precisa pensar sobre o MVE.

A Escolha do Modelo de Monetização: Entendendo os Fundamentos e Aprendendo com Casos de Sucesso

Aceleradora com R$ 1 bi em portfólio, Darwin capta seu primeiro FIP

Avaliada em R$ 400 milhões, Conquer é a mais nova aquisição de Flávio Augusto

Fomentando a Inovação na Saúde Brasileira: Oportunidades no Edital “Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação para Reduzir as Vulnerabilidades do SUS e Ampliar o Acesso à Saúde”