Isanex Logo
Encontro no Instituto 12, que operava em “modo secreto”

Os “12” do Rio de Janeiro que viraram mais de 100. E, agora, atraíram TIM, PRIO e Hashdex

O Instituto 12 nasce para ser um local de debate sobre inovação e sustentabilidade no Rio de Janeiro. E tem apoio de André Street, Bernardinho, Kondzilla e mais 100 nomes, além de empresas como TIM, PRIO e Hashdex

Eles eram 12 e se falavam com frequência em um grupo de WhatsApp. Em média, uma vez por mês, se reuniam em um restaurante no que ficou conhecido como o “Sushi Friday”.

O grupo era formado Alexandre Icaza (Sacks e WeBlock), Andrew Hancock (Julius Baer Family Office), Cesar Villares (Go4it Capital e 4M Holding), Daniel Peres Chor (Multiplan e WeBlock), Gian Martinez (Winnin), Gustavo Ahrends (Norte Capital), Luis Felipe Magon (Supera Capital), Marcelo Sampaio (Hashdex), Mauricio Feldman (Volanty/Supera Capital), Michel Zyngier (Mr Cat/Pipo Capital), Pedro Thompson (Yduqs/Exame/Alliança Saúde) e Rafael Duton (Movile/21212).

Foi quando se deram conta de que não havia uma espaço para debater inovação no Rio de Janeiro ou que pudesse reunir em um ambiente descontraído pessoas de todo o Brasil para conversar sobre diversos assuntos desde o empreendedorismo até sustentabilidade.

É desses encontros “regados” a sushi que veio a ideia de ter um lugar plural para trocar ideias. Agora, está nascendo o Instituto 12, um espaço no Rio de Janeiro que tem a ambição de ser o ponto de encontro da inovação e da sustentabilidade da cidade (um fun fact que reforça o nome da iniciativa: o espaço físico do instituto fica próximo ao Posto 12, no Leblon).

“O Instituto 12 nasce agora do zero e veio das ‘pivotagens’ de muitas coisas. Somos um grupo maior, mais amplo e com várias empresas apoiando”, diz Rafael Duton, um dos fundadores da Movile, dona do iFood, ao NeoFeed.

As “pivotagens” (expressão usada no mundo do empreendedorismo para se referir a mudança de estratégia) a que se refere Duton é que o espaço que agora abriga o Instituto 12 era antes o Hashtown, um espaço da Hashdex que também tinha a proposta de debater inovação. Mas, por ser restrito a uma empresa, e não ser amplo, a proposta do local mudou para abrigar não só mais gente, como mais companhias.

Os 12 originais, agora, são mais de 100 membros que vão contribuir com uma anualidade para manter o espaço. São nomes como Evan Williams, cofundador do Twitter (hoje X), André Street (fundador da Stone), Geraldo Thomaz, Vik Muniz, Camila Coutinho, Kondzilla, Luiz Justo, Bernardinho, Duda Falcão, Maria Silvia Bastos, Angela Strange, Eduardo Paes, Edu Lyra, entre outros.

Empresas estão também apoiando a iniciativa, patrocinando o espaço. As três primeiras a se unirem ao Instituto 12 são TIM, PRIO e Hashdex. A Invest.Rio está também contribuindo com o projeto, assim como a consultoria Visagio (que está ajudando na governança) e o escritório de advocacia Vieira Rezende (que resolve as questões jurídicas).

O plano dos idealizadores do projeto é chegar a mais de 400 nomes como membros – mas só entram para o “clube” aqueles que são convidados. Não se trata de um “elitismo”, a ideia é trazer para debater pessoas que estão alinhadas as causas e aos objetivos do Instituto 12. A intenção é também atrair mais empresas para patrocinador o projeto.

O Instituto 12 se conecta com duas outras iniciativas do Rio de Janeiro, que colocaram a cidade no mapa da inovação. A primeira delas é o Web Summit, que terá sua segunda edição brasileira a partir do dia 15 de abril, e o Porto Maravalley, na zona portuária, um espaço que abrigará startups e terá um curso de graduação de tecnologia do Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA).

A inspiração do Instituto 12 é o Instituto Caldeira, projeto que nasceu em Porto Alegre e que tem o apoio de empresas do Estado, como Agi, Renner, Banrisul, Panvel, SLC, entre outras. Ele fica localizado 4º Distrito, em Porto Alegre e, agora, está recebendo um aporte de R$ 120 milhões para ampliar sua área total de 22 mil para 55 mil metros quadrados.

Como uma entidade do terceiro setor, o Instituto 12 vai operar através de um modelo de negócios sustentável, baseado em associações, apoio de patrocinadores, doações filantrópicas e locação de espaço para eventos de membros e empresas do seu ecossistema

O novo espaço de inovação e sustentabilidade do Rio de Janeiro tem 1,6 mil metros quadrados. Ele contará também com uma unidade do Solo (Solo = Sustentavel, Organico e Local) Café, e um all day Menu, iniciativa do chef Michelin, Rafael Costa e Silva e do restauranter Fernando Kaplan.

A ideia é ser também um espaço de debates que transcenda o Rio de Janeiro, mas que contribua para o desenvolvimento do ecossistema de inovação carioca. “Não queremos ser um clubinho do Rio de Janeiro”, diz Duton. “Esse é um espaço que será aberto para todos.”

Durante o Web Summit, que acontece na próxima semana, o Instituto 12 estará a todo vapor. Após a maratona de palestras no Riocentro, o evento de inovação e tecnologia do Rio de Janeiro migrará para a sede do instituto. É provável que os 12 originais estejam por lá conversando com muito mais gente.

Fonte: Neofeed
Por: Ralphe Manzoni Jr.

Veja mais

Com novo aporte, QI Tech é o primeiro unicórnio a nascer no Brasil em 2024

Por que essa empresa de energia está investindo mais de R$ 500 milhões em startups

Descubra o Valor Real da Sua Startup em 5 Passos Simples

Esta fintech de Sergipe captou R$ 422 milhões em 45 dias e já movimenta mais de R$ 1 bi pelo Brasil

Fintech Greg recebe aporte de R$ 2 milhões da Hiker Ventures

Estratégias Inovadoras para Aquisição de Capital: Alternativas para Fomentar a Inovação Empresarial

Por que o ecossistema de startups da América Latina decolou em 2024

5 Passos Cruciais para Fazer uma Pesquisa de Mercado Assertiva e Garantir o Sucesso do Seu Negócio

EXCLUSIVO: Crescera Capital embarca na tese de segurança e faz investimento milionário na Avantia